Cecília Seabra

Esperanças e Medos da Força de Trabalho

8 de julho de 2024

😨 já viram a pesquisa 2024 de Esperanças e Medos da Força de Trabalho, da PwC, com mais de 56 mil trabalhadores em 50 países e regiões?

Bora ver as oportunidades no spoiler das iniciativas para lideranças, que podem mover oportunidades nas organizações:

1️⃣ Se o cenário é de mudança constante, práticas de liderança têm que mudar

O medo e o estresse pelo aumento da carga de trabalho e as mudanças que acontecem sem tempo de adaptação requerem estilos de liderança basicamente alicerçados em comunicação clara e honesta sobre expectativas e o papel de cada pessoa.

2️⃣ Pessoas envolvidas impulsionam transformação

56% dos CEOs citam as mudanças tecnológicas como drives de impacto e captura de valor, frente a 46% de funcionários. Isto reforça a importância de explicar por que a mudança é necessária, o que a empresa está fazendo e as implicações para as pessoas.

Eu ouvi comunicação de novo?

Quando as pessoas se sentem parte, experimentam e buscam abordagens diferentes, ou seja, movimentam a cultura DA e PARA a mudança.

3️⃣ Pessoas e inovação

Tanto gestores quanto colaboradores acreditam que 40% do tempo gasto em atividades administrativas é culpa da ineficiência e que a IAG pode liberar esse tempo. Mais de 80% dos que usam a IAG diariamente esperam que seja uma realidade em 12 meses.

Por isso, é preciso um ambiente que permita experimentar, errar, melhorar, inovar, implementar, o que nasce com capacitação.

4️⃣ Confiança na IAG

Mais de 70% que afirmaram usar IA concordam que as ferramentas vão trazer oportunidades para aprender novas habilidades, exercitarem a criatividade e melhorar a qualidade do trabalho.

Metade dos profissionais que usam IAG esperam ganhar mais por desenvolver novas habilidades.

É essencial que a empresa estabeleça regras de responsabilidade e uso claras. E a experiência de todos poderá acelerar o processo, o que significa ter canais para compartilhar experiências.

5️⃣ Desenvolvimento de habilidades

Quase metade afirma que ter oportunidade de aprender novas habilidades pesa na hora de decidir entre ficar ou trocar de emprego. E quanto mais pessoas perceberem que seus talentos e sua experiência contribuem para novos ambientes de trabalho — pressupondo que os passos anteriores estão sendo cuidados —, mais os resultados vão aparecer.

6️⃣ Priorizar a experiência da pessoa que trabalha na empresa

82% disseram que remuneração justa é extremamente importante. Questões como flexibilidade e um trabalho que traga satisfação também são citadas como altamente valorizadas na experiência da pessoa que trabalha.

Ou seja: além de clareza, honestidade e criação de espaços de autonomia para governança e adoção da IAG, é preciso um olhar de experiência e gestão de impactos e mudanças no relacionamento com a pessoa que trabalha — alô, alô allboarding 😉

Vale muito correr os olhos no estudo completo.

último artigo

Você recebe pelo trabalho emocional?

Trabalho emocional é aquele pelo qual já passamos: precisar fingir que está tudo bem, quanto por dentro há um turbilhão. Ou seja: fingir que nos sentimos diferente do que sentimos. É um tema transversal a muitas práticas e frentes de ação estratégicas para empresas e precisamos tratá-lo com prioridade. Por

Ler+

penúltimo artigo

Comunicação e influência

O quanto estamos preparados para fazer parte da vida de outras pessoas? E como será que elas falam sobre nós? Esse post é um convite para enxergarmos nossas carreiras de uma perspectiva humana. Ao fim, somos parte da vida de quem trabalha conosco. E vice-versa. Chegaremos em casa e contaremos

Ler+

Inscreva-se para receber A Comunicação Nossa de Cada Dia sempre que sair uma nova edição.

Vamos conversar?