Blog da Ceci

Discussões sobre tendências, carreira e trabalho em Comunicação, para pensar e discutir

Enquanto a gente discute quem é mais foda, perdemos todos

jul 2021 | Comportamento, Criatividade, Identidade, Imagem, Oportunidade, Tendência

Este texto é inspirado nos recentes bate-papos que venho tendo na companhia da Franciele Dall’Agnol com convidados sob a temática de Carreira & Comunicação, na Sala de RH. Ainda, na inundação de discussões sobre ser ou não ser cringe, que tomou todas as redes e na qual não entrei. A hipótese que proponho para discutirmos aqui é a de que enquanto a gente discute quem é mais foda, perdemos todos.

No entanto, antes de começar a discussão, vamos tirar da frente o termo foda empregado no título, assumindo que se trata de uma apropriação do palavrão para designar aquilo que é muito bom, incrível,  ou mesmo sinistro, em bom carioquês. Dito isto, sigamos.

Estamos acostumados, a cada geração, bater no peito para buscar razões para nos orgulharmos de ter avançado em questões nas quais as anteriores eventualmente falharam. Apesar disto, ainda somos os mesmos, e vivemos (referência a Como nossos pais, letra de Belchior, mais famosa no vozeirão da Elis Regina), embora demoremos a entender que é isso mesmo.

Enquanto a gente discute

Vejamos a discussão entre millenials e geração Z sobre ser ou não cringe. Por trás do que alimentou a treta pode haver desde a zoeira, aquela mesmo, que never ends, mas pode também haver doses do preconceitozinho geracional, o mesmo que te faz torcer o nariz para aquele colega de trabalho mais velho, ou ter certeza de que só você arrasa porque é de outro século.

enquanto a gente discute quem é mais foda, perdemos todos

O negócio é que enquanto a gente discute quem é mais foda, perdemos todos. E essa hipótese ficou muito verdadeira quando conversamos com a Eliane Kreisler, na última terça, 13 de julho. O tema era carreira 50+, sobre o quanto é difícil se manter, ou recolocar no mercado de trabalho, quando uma idade considerada “de velho” chega. A questão é: defina velho.

Quem é mais foda

Precisa mesmo perder tempo em busca dessa resposta? Na conversa com a Eliane, ficou claríssimo que não. E que a gente não deveria eufemizar o preconceito geracional, ou etário, ou idadismo, etarismo, ou qualquer outro termo, em brincadeiras.

Enquanto falávamos, me veio à cabeça um artigo que escrevi há pouco mais de dois anos, sobre criatividade nas gerações. Ou seja: tem gente foda em todas elas, e seria muito mais produtivo se nos ativéssemos ao quanto somamos quando resolvemos fazer alguma coisa juntos.

quem é mais foda

Perdemos todos

É um contrasenso levarmos qualquer discussão para respostas que dependam de comparações, ou contrapontos entre duas alternativas, quando o assunto é a convivência entre diferenças. Ser pela diversidade é, antes de tudo, ser capaz de dialogar em vez de buscar simplificar o tratamento de um tema que é complexo por definição (de que diversidade estamos falando?).

Precisamos estar dispostos a confrontar preconceitos, tocar em questões incômodas e rever status quo, se queremos, de fato, nos posicionar com coerência, consistência e relevância em relação aos assuntos. Na dúvida sobre como fazer, a dica é estudar a si mesmo.

Caminhos possíveis

Conhecer a sua real identidade, posicionamentos possíveis, como exercê-los e o que trazem de diferenciação em relação a todo mundo,  é um bom caminho para não nos pegarmos imersos em discussões sobre quem é mais foda. Afinal, nossa mãe já dizia que a gente não é todo mundo. E se ela sabe disso, nós também precisamos ser capazes de descobrir.

Na dúvida sobre por onde começar? O curso Identidade e posicionamento profissional: quem é você e quais os seus diferenciais, vai acontecer de 11 a 27 de agosto. As inscrições estão abertas com lote promocional limitado (e sem copy para brincar com o seu gatilho de urgência), benefícios e nas próximas semanas novidades sobre masterclasses com referências nos temas abordados.

Dúvidas, me chama. Só não entra, por favor, em discussão sobre quem é mais foda, na qual perdemos todos. Combinado?

 

 

Por Cecília Seabra

Por Cecília Seabra

Jornalista, consultora, mentora, pesquisadora, docente e apaixonada pela Comunicação. Mãe de gente e mãe de bicho. Atuo há 21 anos na área, com experiência que é resultado de passagem por todos os cargos e funções em agência, gerenciamento de crises, além de coordenação e gestão de comunicação e sustentabilidade em marcas líderes nos seus segmentos.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *